segunda-feira, 17 de Março de 2014

Selfie a uma colaboradora de call center.

That's bananas!

Começo por dizer que a minha experiência como ratazana de call center ansiosa por vender e paga para fazer sofrer as pessoas deste Portugal inteiro por telefone, a toda hora inoportuna, a cada reunião, a cada sábado de manhã e pontualmente à hora de refeição, tem sido muito, ahn, não diria rica (muito menos literalmente) mas talvez muito esclarecedora em relação às minhas competências. No meio das chamadas de pessoas que gostam de mim o suficiente para não me atenderem tenho chegado às seguintes conclusões:

1. Conversa de ocasião. Por telefone. Com estranhos. Não é propriamente a minha praia...Atenção, até me considero uma pessoa afável para o velhote da paragem do autocarro ou para o Sr.António do café mas sou muito má a falar sem tema algum, só porque sim, porque fica bem e olhem que me mato a falar a toda a hora. Não consigo, balbucio coisas ridículas e quando calo a outra pessoa, aí percebo que fui longe de mais na minha estupidez ,afinal não somos assim tão amigos...
2. Falecidos, Viúvos e pessoas que respondem à pergunta 'como vai?' com um nada bem irão certamente conhecer a estranheza da minha pessoa porque não consigo articular uma frase decente e uma qualquer tentativa de afecto e compreensão será um fracasso. 
3. Sou péssima vendedora mas óptima psicóloga, sou muito pacífica, paciente e pouco insistente daí me verem mais como uma linha de apoio do que propriamente como vendas. 
4. Tenho uma voz demasiado simpática e incrivelmente interessante para algumas pessoas que me pedem o meu número pessoal. Gente, qual speed dating qual quê, agarrem é as Martas dos Teleseguros deste país
5-Os primeiros telefonemas da manhã irão pensar que do outro lado da linha está uma pessoa retardada, com pouca capacidade de articulação e compreensão e que, de certo, deveria estar longe de um telefone
6- Ter uns phones com microfone só é entusiasmante nos primeiros dias, depois começamos a sentir determinados odores de baba junto à espuma do microfone e o nosso sonho de termos o aparelho, quando eramos miúdas a brincar aos escritórios, esmorece
7- Há pessoas realmente irritantes nos call center.
8- Há pessoas realmente boas no call center, daquelas que têm coração.
9- Se eu não gosto de falar ao telefone porque raio fui me meter num call center? é que nem à minha mãe atendo.
10- Há todo um mundo estranho por detrás do telefone, as pessoas transformam-se e a educação não existe revelando a minha capacidade de me manter calma por 3 gritos ao segundo. Fico orgulhosa quando consigo que me peçam desculpa no final

A lógica da produtividade marca um certo processo de desumanização, são preciso determinadas skills e a minha não vocação torna a coisa complicada e é sempre difícil aceitar uma derrota em trabalhos que achamos pequenos e temporários comparados aos nossos reais objectivos de carreira.
Sejam simpáticos com as pessoas do telemarketing, quem sabe uma das próximas vozes irritantes que ouvirem não será a minha. 

segunda-feira, 3 de Março de 2014

Zara shoes.

That's bananas!

Esta semana resolvi ir à Zara do Colombo toda renovada e bonita que só ela, quase que parecia saldos para as meninas que desalmadamente compravam, mexiam e remexiam. Sou rendida à Zara das Amoreiras, é pequena, também foi renovada, é espaçosa, é arejada mas confesso que gostei deste refresh da Zara do Colombo.
Adorei a colecção, apaixonei-me por umas quantas peças tão depressa quanto vi o quão esse amor seria apenas platónico mas, ao longo desta jornada,  fui atormentada pelos pequenos demónios que espreitavam no final das paredes de roupa: os hediondos sapatos da colecção ZARA woman. Oiçam, tudo bem que a moda é cíclica, tudo bem que a moda é outside the box, tudo bem mas que há com cada coisa feia a querer ser sapato que nem vos diga, nem vos conte.
Vejam só:
Sapatola prostituta de luxo, estava a descansar em casa com o seu robe de seda quando decide sair à rua.

Sapatola enrolei um cinto com fivela cowboy ao sapato e juntei o branquinho para parecer menos countryside.

Sapatola/Chineloca da natação adidas old school versão pimp.

Sapatola ortopédico a condizer com meia de descanso para as varizes, ali com um design retro c'est chic
Sapatola do Tio Zé quando vai aos casamentos já com frente amolgadita para quem tem o pé com alguns calos

Bem meninas, eu estou a gozar um pouco com a situação e às vezes até fico parva quem usa sapatos terríveis mas com conjuntos espectaculares que anulam o efeito terrível, é o efeito miss popular, assim que uma miss popular usa uma coisa feia essa coisa deixa de ser tão feia, é só menos bonita.
E, vocês, quem metia o pezinho de Cinderela nestes sapatos?
xx







domingo, 19 de Janeiro de 2014

Some inspiration

That's bananas!






Finnaly with me. 






A inspiração vem das coisas que gostamos.
Do Valentina que se tornou o meu cheiro desde que o conheci.
Das minhas novas sandálias que me apaixonei na colecção passada e só agora as fui resgatar.
Da minha colecção de grandes clássicos que se vai compondo aos poucos.
Dos novos anéis oferecidos por uma pessoa especial.
Dos stick notes que andam sempre comigo nesta jornada de estudos.
E de outros tantos pormenores que dão pistas sobre mim.
Inspiração nos detalhes. 

quinta-feira, 16 de Janeiro de 2014

That's bananas!

Espero vir a tempo de 2014.
São 7, são grandes e são para serem cumpridos.
1.


E a voltar a ele todos os dias, como sempre deveria ser depois de tantas promessas não cumpridas.
2.


É verdade finalmente! Já paguei a carta e vou amanhã até à escola marcas as aulas.
Não se pode dizer que estou entusiasmada, mais uma coisa para pôr na agenda todas as semanas.

3.




Não tem sido fácil e espero falar com vocês mais sobre isso. Vocês que acompanharam as minhas crises existenciais sobre o futuro. 
Gostava de ter deixado as dúvidas e as ansiedades em 2013, mais ainda não foi desta.
4.



5.

Se quero, posso...é este ano que vou.

6.


Este desejo dá ares de sonho mas tenho andado a aprender a sonhar mais.
7.

Dizem que as paixões são difíceis de lidar, impossíveis de esquecer.
Nunca deixo de pensar que a escrita é o meu lugar-comum.
Onde me sinto eu.

terça-feira, 17 de Setembro de 2013

Sobre a inspiração

That's bananas!

A desculpa: o tempo.
A meia verdade: o desperdício de tempo.
Não minto quando digo que não dou pelo tempo passar e nada fiz. Fiz 22 anos e a minha lista de sonhos está in stand by há demasiado de tempo. E, não, não estou a falar de me tornar milionária, ter um caniche anão, rodar meio mundo num ano ou outra coisa qualquer que sim, até que nem seria mal pensado constar na lista.
Estou a falar num sonho muito particular até, do meu próprio livro, escrevê-lo e tirar de vez estas ideias que andam aqui a vaguear sempre que estou no metro, que estou na loja sem nada para fazer, quando fecho os olhos à noite ou quando vejo um filme ou leio um livro que adorei e penso como seria bom criar a minha história.
Há dias em que penso se o que escrevo ou como escrevo será demasiado diferenciado, poético e sentido para ser reconhecido, adorado e publicado mas há outros dias em que penso que as minhas palavras são humanas demais para não se ligarem às pessoas e às histórias comuns.
Não sei se vos tive oportunidade de contar que o que me ligou ao jornalismo foram e sempre foram as histórias e as pessoas, não mais que isso. Esse amor vem da minha vertente literária e da minha necessidade em me inspirar em pessoas, por escrever o que sinto, por dar às minhas palavras a força da minha alma.
Às vezes culpo a falta de inspiração, o meu jeito desajeitado que não sabe por onde começar. Dizem que  escrever também acaba por ser um ofício e eu tenho de conseguir saber dizer, saber organizar.
Hoje, são 02:25 e deu-me para isso, para lamentações de um sonho por concretizar.
Tudo porque uma amiga da minha mãe que tomou conta de mim quando era menina e com composições que faziam chorar a professora primária me perguntou porque deixei de escrever.
E eu culpo a falta de tempo.
Quando tudo o que sei é que já passou demasiado tempo para eu não ter tido tempo para acabar aquilo que ficou por fazer.
 

segunda-feira, 5 de Agosto de 2013

Destino: Tunisia

That's bananas!
.






Espero que tenham gostado.